Artigos
Companheiros de Ideal!

O prestigiado jornal Folha Espírita de maio/11 traz uma revelação feita em 1986 , pelo médium Francisco Cândido Xavier a Geraldo Lemos Neto , fundador da Casa de Chico Xavier de Pedro Leopoldo (MG) e da Vinha de Luz Editora, de Belo Horizonte/MG, sobre o futuro reservado ao planeta Terra e a todos os seus habitantes nos próximos anos . Marlene Nobre pelo FE, entrevista Lemos Neto, que disse carregar este fardo há muito tempo (25 anos), cumprindo agora o dever de revelá-lo em sua completude. Diz que, em 1986, quando dessa conversa com o Chico, sentiu que sua mente estava recebendo um tratamento mnemônico diferente para que não viesse a esquecer aquelas palavras proféticas, e que seria chamado a testemunhá-las no momento oportuno, que chegou.

Conhecendo a seriedade dos confrades Marlene Nobre e Geraldo Lemos Neto, sendo que o profeta em questão é nada menos que Chico Xavier, e tendo em vista o teor das considerações a respeito, reputo da mais alta importância a divulgação dessa revelação apocalíptica. É a razão pela qual estou encaminhando esse e-mail a tantos companheiros .

Copiei as partes principais da longa entrevista, mantendo o texto fiel ao que consta do jornal em sua maior parte, sem me ater em pormenores de forma para não estender demais essas palavras. Os grifos no texto são meus. A íntegra pode ser lida no exemplar nº 439, ano XXXV, de maio de 2011 do jornal Folha Espírita .

Entendo ser um momento de muita reflexão de todo o movimento espírita e, acima de tudo, de muita prece, com muito otimismo, positivismo e serenidade, enfatizando-se a necessidade de um maior esforço individual e coletivo de renovação. Os jornais espíritas em geral deveriam encartar em seu corpo o referido exemplar do FE, ou pedir autorização para transcrever a matéria em questão, visando dar a mais ampla divulgação.

Fraternalmente.

Paulo Marinho – CEAE-Genebra

.x.x.x.x.x.x.x.x.x.x.x.x.x.x.x.x.x.x.x.x.x.x.

(...) Assim, tive a felicidade de conviver na intimidade com Chico Xavier, dialogando com ele vezes sem conta, madrugada a dentro, sobre variados assuntos de nossos interesses comuns, notadamente sobre esclarecimentos palpitantes acerca da Doutrina dos Espíritos e do Evangelho de Jesus.

Um desses temas foi em relação ao Apocalipse , do Novo Testamento . (...) Desde então, Chico tinha sempre uma ou outra palavra esclarecedora sobre o assunto. Numa dessas conversas, lembrando o livro Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho , pelo espírito Humberto de Campos, Lemos Neto externou ao Chico sua dúvida quanto ao título do livro, uma vez que ainda naquela ocasião, em meados da década de 80, o Brasil vivia às voltas com a hiperinflação, a miséria, a fome, as grandes disparidades sociais, o descontrole político e econômico, sem falar nos escândalos de corrupção e no atraso cultural.

Lembro-me, como hoje, a expressão surpresa do Chico me respondendo: “Ora, Geraldinho, você está querendo privilégios para a Pátria do Evangelho, quando o fundador do Evangelho, que é Nosso Senhor Jesus Cristo, viveu na pobreza, cercado de doentes e necessitados de toda ordem, experimentou toda a sorte de vicissitudes e perseguições para ser supliciado quase abandonado pelos seus amigos mais próximos e morrer crucificado entre dois ladrões? Não nos esqueçamos de que o fundador do Evangelho atravessou toda sorte de provações, padeceu o martírio da cruz, mas depois ele largou a cruz e ressuscitou para a Vida Imortal! Isso deve servir de roteiro para a Pátria do Evangelho. Um dia haveremos de ressuscitar das cinzas de nosso próprio sacrifício para demonstrar ao mundo inteiro a imortalidade gloriosa!”

Na sequência da nossa conversa, perguntei ao Chico o que ele queria exatamente dizer a respeito do sacrifício do Brasil. Estaria ele a prever o futuro de nossa nação e do mundo? Chico pensou um pouco, como se estivesse vislumbrando cenas distantes e, depois de algum tempo, retornou para dizer-nos: “Você se lembra, Geraldinho, do livro de Emmanuel A Caminho da Luz ? Nas páginas finais da narrativa de nosso benfeitor, no capítulo XXIV, cujo título é O Espiritismo e as Grandes Transições, Emmanuel afirmara que os espíritos abnegados e esclarecidos falavam de uma nova reunião da comunidade das potências angélicas do Sistema Solar, da qual é Jesus um dos membros divinos, e que a sociedade celeste se reuniria pela terceira vez na atmosfera terrestre, desde que o Cristo recebeu a sagrada missão de redimir a nossa humanidade, para, enfim, decidir novamente sobre os destinos do nosso mundo .

Pois então, Emmanuel escreveu isso nos idos de 1938 e estou informado que essa reunião de fato já ocorreu . Ela se deu quando o homem finalmente ingressou na comunidade planetária, deixando o solo do mundo terrestre para pisar pela primeira vez o solo lunar. O homem, por seu próprio esforço, conquistou o direito e a possibilidade de viajar até a Lua, fato que se materializou em 20 de julho de 1969. Naquela ocasião, o Governador Espiritual da Terra, que é Nosso Senhor Jesus Cristo, ouvindo o apelo de outros seres angelicais de nosso Sistema Solar, convocara uma reunião destinada a deliberar sobre o futuro de nosso planeta . O que posso lhe dizer, Geraldinho, é que depois de muitos diálogos e debates entre eles foram dadas diversas sugestões e, ao final do celeste conclave, a bondade de Jesus decidiu conceder uma última chance à comunidade terráquea, uma última moratória para a atual civilização no planeta Terra. Todas as injunções cármicas previstas para acontecerem ao final do século XX foram então suspensas, pela Misericórdia dos Céus, para que o nosso mundo tivesse uma última chance de progresso moral.

O curioso é que nós vamos reconhecer nos Evangelhos e no Apocalipse exatamente este período atual, em que estamos vivendo, como a undécima hora ou a hora derradeira, ou mesmo a chamada última hora”.

Extremamente curioso com o desenrolar do relato de Chico Xavier, perguntei-lhe sobre qual fora então as deliberações de Jesus, e ele me respondeu: “ Nosso Senhor deliberou conceder uma moratória de 50 anos à sociedade terrena, a iniciar-se em 20 de julho de 1969, e, portanto, a findar-se em julho de 2019. Ordenou Jesus, então, que seus emissários celestes se empenhassem mais diretamente na manutenção da paz entre os povos e as nações terrestres, com a finalidade de colaborar para que nós ingressássemos mais rapidamente na comunidade planetária do Sistema Solar, como um mundo mais regenerado, ao final desse período.

Algumas potências angélicas de outros orbes de nosso Sistema Solar recearam a dilação do prazo extra, e foi então que Jesus, em sua sabedoria, resolveu estabelecer uma condição para os homens e as nações da vanguarda terrestre. Segundo a imposição do Cristo, as nações mais desenvolvidas e responsáveis da Terra deveriam aprender a se suportarem umas às outras, respeitando as diferenças entre si, abstendo-se de se lançarem a uma guerra de extermínio nuclear. A face da Terra deveria evitar a todo custo a chamada III Guerra Mundial. Segundo a deliberação do Cristo, se e somente se as nações terrenas, durante este período de 50 anos, aprendessem a arte do bem convívio e da fraternidade, evitando uma guerra de destruição nuclear, o mundo terrestre estaria enfim admitido na comunidade planetária do Sistema Solar como um mundo em regeneração . Nenhum de nós pode prever, Geraldinho, os avanços que se darão a partir dessa data de julho de 2019, se apenas soubermos defender a paz entre nossas nações mais desenvolvidas e cultas!”

Perguntei, então ao Chico a que avanços ele se referia e ele me respondeu: “ Nós alcançaremos a solução para todos os problemas de ordem social, como a solução para a pobreza e a fome que estarão extintas; teremos a descoberta da cura de todas as doenças do corpo físico pela manipulação genética nos avanços da Medicina; o homem terrestre terá amplo e total acesso à informação e à cultura, que se fará mais generalizada; também os nossos irmãos de outros planetas mais evoluídos terão a permissão expressa de Jesus para se nos apresentarem abertamente, colaborando conosco e oferecendo-nos tecnologias novas, até então inimagináveis ao nosso atual estágio de desenvolvimento científico; haveremos de fabricar aparelhos que nos facilitarão o contato com as esferas desencarnadas, possibilitando a nossa saudosa conversa com os entes queridos que já partiram para o além-túmulo; enfim estaríamos diante de um mundo novo, uma nova Terra, uma gloriosa fase de espiritualização e beleza para os destinos de nosso planeta .”

Então perguntei a ele: Chico, até agora você tem me falado apenas da melhor hipótese, que é esta em que a humanidade terrestre permaneceria em paz até o fim daquele período de 50 anos. Mas, e se acontecer o caso das nações terrestres se lançarem a uma guerra nuclear? “Ah! Geraldinho, caso a humanidade encarnada decida seguir o infeliz caminho da III Guerra Mundial, uma guerra nuclear de consequências imprevisíveis e desastrosas, aí então a própria mãe Terra, sob os auspícios da Vida Maior, reagirá com violência imprevista pelos nossos homens de ciência. O homem começaria a III Guerra, mas quem iria terminá-la seriam as forças telúricas da natureza, da própria Terra cansada dos desmandos humanos, e seríamos defrontados então com terremotos gigantescos; maremotos e ondas (tsunamis) consequentes; veríamos a explosão de vulcões há muito tempo extintos; enfrentaríamos degelos arrasadores que avassalariam os pólos do globo com trágicos resultados para as zonas costeiras, devido à elevação dos mares; e, neste caso, as cinzas vulcânicas associadas às irradiações nucleares nefastas acabariam por tornar totalmente inabitável todo o Hemisfério Norte de nosso globo terrestre .”

Segundo o médium, “ em todas as duas situações, o Brasil cumprirá o seu papel no grande processo de espiritualização planetária. Na melhor das hipóteses, nossa nação crescerá em importância sociocultural, política e econômica perante a comunidade das nações. Não só seremos o celeiro alimentício e de matérias-primas para o mundo, como também a grande fonte energética com o descobrimento de enormes reservas petrolíferas que farão da Petrobras uma das maiores empresas do mundo ”.

E prosseguiu Chico: “ O Brasil crescerá a passos largos e ocupará importante papel no cenário global, e isso terá como consequência a elevação da cultura brasileira ao cenário internacional e, a reboque, os livros do Espiritismo Cristão, que aqui tiveram solo fértil no seu desenvolvimento, atingirão o interesse das outras nações também. Agora, caso ocorra a pior hipótese, com o Hemisfério Norte do planeta tornando-se inabitável, grandes fluxos migratórios se formariam então para o Hemisfério Sul, onde se se situa o Brasil, que então seria chamado mais diretamente a desempenhar o seu papel de Pátria do Evangelho, exemplificando o amor e a renúncia, o perdão e a compreensão espiritual perante os povos migrantes .

A Nova Era da Terra, neste caso, demoraria mais tempo para chegar com todo seu esplendor de conquistas científicas e orais, porque seria necessário mais um longo período de reconstrução de nossas nações e sociedades, forçadas a se reorganizarem em seus fundamentos mais básicos .”

Pergunta Marlene Nobre pela Folha Espírita - Segundo Chico Xavier, esses fluxos migratórios seriam pacíficos? Geraldo - Infelizmente não. Segundo Chico me revelou, o que restasse da ONU acabaria por decidir a invasão das nações do Hemisfério Sul, incluindo-se aí obviamente o Brasil e o restante da América do Sul, a Austrália e o sul da África, a fim de que nossas nações fossem ocupadas militarmente e divididas entre os sobreviventes do holocausto no Hemisfério Norte. Aí é que nós, brasileiros, iríamos ser chamados a exemplificar a verdadeira fraternidade cristã, entendendo que nossos irmãos do Norte, embora invasores a “mano militare”, não deixariam de estar sobrecarregados e aflitos com as consequências nefastas da guerra e das hecatombes telúricas, e, portanto, ainda assim, devendo ser considerados nossos irmãos do caminho, necessitados de apoio e arrimo, compreensão e amor .

Neste ponto da conversa, Chico fez uma pausa na narrativa e completou: “ Nosso Brasil como o conhecemos hoje será então desfigurado e dividido em quatro nações distintas. Somente uma quarta parte de nosso território permanecerá conosco e aos brasileiros restarão apenas os Estados do Sudeste somados a Golias e ao Distrito Federal. Os norte-americanos, canadenses e mexicanos ocuparão os Estados da Região Norte do País, em sintonia com a Colômbia e a Venezuela. Os europeus virão ocupar os Estados da Região Sul do Brasil unindo-os ao Uruguai, à Argentina e ao Chile. Os asiáticos, notadamente chineses, japoneses e coreanos, virão ocupar o nosso Centro-Oeste, em conexão com o Paraguai, a Bolívia e o Peru. E, por fim, os Estados do Nordeste brasileiro serão ocupados pelos russos e povos eslavos. Nós não podemos nos esquecer de que todo esse intrincado processo tem a sua ascendência espiritual e somos forçados a reconhecer que temos muito que aprender com os povos invasores .

Vejamos, por exemplo: os norte-americanos podem nos ensinar o respeito às leis, o amor ao direito, à ciência e ao trabalho. Os europeus, de uma forma geral, poderão nos trazer o amor à filosofia, à música erudita, à educação, à história e à cultura. Os asiáticos poderão incorporar à nossa gente suas mais altas noções de respeito ao dever, à disciplina, à honra, aos anciãos e às tradições milenares. E, então, por fim, nós brasileiros, ofertaremos a eles, nossos irmãos na carne, os mais altos valores de espiritualidade que, mercê de Deus, entesouramos no coração fraterno e amigo de nossa gente simples e humilde, essa gente boa que reencarnou na grande nação brasileira para dar cumprimento aos desígnios de Deus e demonstrar a todos os povos do planeta a fé na Vida Superior, testemunhando a continuidade da vida além-túmulo e o exercício sereno e nobre da mediunidade com Jesus ”.

FE: O Brasil, embora sofrendo o impacto moral dessa ocupação estrangeira, estaria imune aos movimentos telúricos da Terra? Geraldinho – Infelizmente, não. Segundo Chico Xavier, o Brasil não terá privilégios e sofrerá também os efeitos de terremotos e tsunamis, notadamente nas zonas costeiras. Acontece que de acordo com o médium, o impacto por aqui será bem menor se comparado com o que sobrevirá no Hemisfério Norte do planeta .

FE - Você também crê que a ida do homem à Lua, em julho de 1969, tenha precipitado de certa forma a preocupação com as conquistas científicas dos humanos, que poderiam colocar em risco o equilíbrio do Sistema Solar?

Geraldinho – sim, creio que a revelação de Chico Xavier a respeito traz, nas entrelinhas, essa preocupação celeste quanto às possíveis interferências dos humanos terráqueos nos destinos do equilíbrio planetário em nosso Sistema Solar. Pelo que Chico Xavier falou, alguns dos seres angélicos de outros orbes planetários não estariam dispostos a nos dar mais este prazo de 50 anos, que vencerá daqui a apenas oito anos, temerosos talvez de nossas nefastas e perniciosas influências. Essa última hora bem que poderia ser por nós considerada como a última bênção misericordiosa de Jesus Cristo em nosso favor, uma vez que, pela explicação de Chico Xavier, foi ele, Nosso Senhor, quem advogou em favor de nossa causa, ainda mais vez mais .

Outra decisão dos benfeitores espirituais da Vida Maior foi a que determinou que, após o alvorecer do ano 2000 da Era Cristã, os espíritos empedernidos no mal e na ignorância não mais receberiam a permissão para reencarnar na face da Terra. Reencarnar aqui, a partir dessa data equivaleria a um valioso prêmio justo, destinado apenas aos espíritos mais fortes e preparados, que souberam amealhar, no transcurso de múltiplas reencarnações, conquistas espirituais relevantes como a mansidão, a brandura, o amor à paz e à concórdia fraternal entre povos e nações . Insere-se dentro dessa programação de ordem superior a própria reencarnação do mentor espiritual de Chico Xavier, o espírito Emmanuel, que, de fato, veio a renascer, segundo Chico informou a variados amigos mais próximos, exatamente no ano 2000. Certamente, Emmanuel, reencarnado aqui no coração do Brasil, haverá de desempenhar significativo papel na evolução espiritual de nosso orbe.

Todos os demais espíritos, recalcitrantes no mal, seriam então, a partir de 2000, encaminhados forçosamente à reencarnação em mundos mais atrasados, de expiações e de provas aspérrimas, ou mesmo em mundos primitivos , vivenciando ainda o estágio do homem das cavernas, para poderem purgar os seus desmandos e a sua insubmissão aos desígnios superiores. Chico Xavier tinha conhecimento desses mundos para onde os espíritos renitentes estariam sendo degredados. Segundo ele, o maior desses planetas se chamaria Kírom ou Quírom.

É a nossa última chance, é a última hora... Não há mais tempo para o materialismo. Não há mais tempo para ilusões ou enganos imediatistas. Ou seguiremos com a Luz que efetivamente buscarmos, ou nos afundaremos nas sombras de nossa própria ignorância. Que será de nós? A resposta está em nosso livre-arbítrio, individual e coletivo. É A nossa escolha de hoje que vai gerar o nosso destino. Poderemos optar pelo melhor caminho, o da fraternidade, da sabedoria e do amor, e a regeneração chegará para nós de forma brilhante a partir de 2019; ou poderemos simplesmente escolher o caminho do sofrimento e da dor e, neste caso infeliz, teremos um longo período de reconstrução que poderá durar mais de mil anos, segundo Chico Xavier . Entretanto, sejamos otimistas. Lembremo-nos que deste período de 50 anos já se passaram 42 anos em que as nações mais desenvolvidas e responsáveis do planeta conseguiram se suportar umas às outras sem se lançarem a uma guerra de extermínio nuclear. Essa era a pré-condição imposta por Jesus.

Não estamos entregues à fatalidade nem predeterminados ao sofrimento . Estamos diante de uma encruzilhada do destino coletivo que nos une à nossa casa planetária, aqui na Terra. Temos diante de nós dois caminhos a seguir. O caminho do amor e da sabedoria nos levará a mais rápida ascensão espiritual coletiva. O caminho do ódio e da ignorância acarretar-nos-á mais amplo dispêndio de séculos na reconstrução material e espiritual de nossas coletividades. Tudo virá de acordo com nossas escolhas de agora, individuais e coletivas. Oremos muito .

O próprio Emmanuel, através de Chico Xavier, respondendo a uma entrevista já publicada em livro nos diz que as profecias são reveladas aos homens para não serem cumpridas. São na realidade um grande aviso espiritual para que nos melhoremos e afastemos de nós a hipótese do pior caminho.

Paulo Eduardo

Ilustre Presidente do IPA -SP - Brasil.

Dr. Jarim Lopes Roseira.

Tenho pensado muito, e cheguei a conclusão, porque eu gosto tanto das novelas brasileiras.

Seus autores, são de fato muito inteligentes, sensatos e conclusivos.

Além de termos uns atores muito simpáticos e atoras lindas, inteligentes e eficientes, dão às novelas um caráter verdadeiro e extraordinário.

Veja bem.

As novelas começam com os artistas mostrando a corrupção, a bandidagem, e conseguem fazer o mundo artístico, se sobressair de tal forma espelhando como é nossos dias, nossa política, o retrato de nossos governos, e quando digo isto, falo de modo geral, Federal, Estadual e Municipal.

Aí esta a beleza das novelas, só que estes artistas que representam o lado podre das novelas, acabam caindo, sendo desmascarados, escrachados, presos e processados.Que maravilha !!!

E na vida real !!!

1-Como ficariam nossos deputados, senadores, vereadores que não tem a “ Ficha Limpa”

2-Como ficaria nosso poder Legislativo, com a votação da união estável de “gays” e da votação favorável ao italiano Batisti.

3-Como ficaria a grande corrupção dos poderes, Executivo, Legislativo e Judiciário.

4-Como seria se nosso glorioso Exercito, Marinha e Aeronáutica, fiscalizassem nossa fronteira e não permitissem a entrada de armas e drogas.!!!!

Enfim, se formos numerar todos os fatos graves e errados de nosso País, ficaria algo muito extenso, por exemplo, se formos dar os nomes de todos os políticos, que se envolveram em corrupção, haja Foro, Juízes e cadeia, para finalizar.

Meu prezado amigo, gostaria dever o final desta novela.

São Paulo, 13/06/2011

Paulo Eduardo dos Santos.

Delegado de Polícia-aposentado.

Advogado-OA11.435 CEP-04517-000

Fone.011-5097-9425 // 8555-6378

pedus@uol.com.br

Merecermos.

Enquanto isso, uma grande parte dos políticos está aí, oh!...,só  pensando na próxima eleição. E o povo? Ora o povo...  (dizem, certamente).


Obrigado, um abraço a todos,

        Jarim Lopes Roseira
Presidente da IPA-SP / IPA Brasil


Assunto: FW: A VOZ DA POLÍCIA CARIOCA...

A VOZ DA POLÍCIA CARIOCA

Declaração de Delegado de Polícia do RJ

Como Delegado de Polícia do Rio de Janeiro é meu dever moral e jurídico esclarecer ao povo carioca os motivos pelos quais enfrentamos este caos na Segurança Pública.

Em primeiro lugar, fique você sabendo que a nossa legislação permite que qualquer pessoa, independentemente de sua qualificação profissional, assuma o cargo de Secretário de Segurança Pública.

Isto significa que as Polícias Militar e Civil estão sob a direção de pessoas que nem sempre têm qualquer conhecimento jurídico e operacional para exercer sua função pública.

Isto significa também que o Governador eleito pelo povo indica o Comandante da Polícia Militar e o chefe de Polícia Civil, que podem ser demitidos a qualquer momento.

Estes por sua vez, indicam os comandantes de cada Batalhão e os Delegados Titulares de cada Delegacia, que por sua vez, são também afastados de seus cargos por qualquer motivo.

Digo, por tanto, que a Polícia Civil é absolutamente política e serve aos interesses políticos dos que foram eleitos pelo povo. Quando os afastamentos de Delegados são políticos e não motivados por sua competência jurídica e operacional, o resultado é a total falta de profissionalismo no exercício da função.

Este é o primeiro indício de como a nossa Lei trata a Polícia. Se a Polícia é política quem investiga os políticos?

Você sabia que o papel da Polícia Militar é exclusivamente o patrulhamento ostensivo das nossas ruas?
E por isso é a Polícia que anda fardada e caracterizada e deve mostrar sua presença ostensiva, dando-nos a sensação de segurança.

Você sabia que o papel da Polícia Civil é investigar os crimes ocorridos, colhendo todos os elementos de autoria e materialidade e que o destinatário desta investigação é o Promotor de Justiça que, por sua vez, os levará ao Juiz de Direito que os julgará, absolvendo ou condenando?

Então, por que nossos g overnadores compram viaturas caracterizadas para a sua polícia investigativa? Então, por que mandam a Polícia Civil patrulhar as ruas e não investigar crimes?

Parece piada de muito mau gosto, mas é a mais pura e cristalina realidade.

Você sabia que o Poder Judiciário e o Ministério Público são independentes da Política e a Polícia Civil é absolutamente dependente?

Assim, a Polícia Civil é uma das bases que sustenta todo o nosso sistema criminal, juntamente com o Judiciário e o Ministério Público.

Se os Delegados de Polícia têm essa tamanha importância, por que são administrativamente subordinados à Secretaria de Segurança e a Governadores, que são políticos?

Porque ter o comando administrativo da Polícia Civil de alguma forma serve aos seus próprios objetivos políticos, que passam muito longe dos objetivos jurídicos e de Segurança Pública.

Assim, quero dizer que o controle da Polícia Civil está na mão da política, isto é, do Poder Ex ecutivo.

Tais políticos controlam um dos tripés do sistema criminal, o que gera prejuízos tremendos e muita impunidade. Não é preciso ser inteligente para saber que sem independência não se investiga livremente. É por isso que os americanos criaram agências de
investigação independentes para fomentar sua investigação criminal.

Em segundo lugar, fique você sabendo que os policiais civis e militares ganham um salário famélico.

Você arriscaria sua vida por um salário de fome?

Que tipo de qualidade e competência têm esses policiais?

Se a segurança pública é tão importante, por que não pagamos aos nossos policiais salários dignos, tais quais são os dos Agentes Federais? Se o Governo não tem dinheiro para remunerar bem quem é importante para nós, para que teria dinheiro?

Em minha opinião, há três tipos de policiais: os que são absolutamente corrompidos; os que oscilam entre a honestidade e a corrupção e os que são honestos.
Estes tra balham em no mínimo três "bicos" ou estudam para sair da polícia de cabeça erguida.

De qual dessas categorias você gostou mais?
Parece que com esses salários, nossos governantes, há tempos, fomentam a existência das primeira e segunda categorias.

É isto o que você quer para sua cidade? - Mas é isso que nós temos! É a realidade mais pura e cristalina!
O que vejo hoje são procedimentos paliativos de segurança pública destinados à mídia e com fins eleitoreiros, pois são elaborados por políticos. Mas então, o que fazer?

Devemos adotar uma política de segurança a longo prazo. A legislação deve conferir independência funcional e financeira à Polícia Civil com seu chefe eleito por uma lista tríplice como é no Judiciário e no Ministério Público.

A Polícia Civil deve ser duramente fiscalizada pelo Ministério Público que deverá também formar uma forte Corregedoria.
O salário dos policiais deverá ser imediatamente triplicado e organizado um sério pl ano de carreira.

Digo sempre que se a população soubesse qual a importância do salário para quem exerce a função policial, haveria greve geral para remunerar melhor a polícia. Mas a quem interessa que o policial ali da esquina ganhe muito bem?

Será que ele vai aceitar um "cafezinho" para não me multar ou para soltar meu filho surpreendido com drogas? Será que não é por isso também que não temos segurança?

Fiquem todos sabendo que se o policial receber um salário digno não mais haverá escalas de plantão e, consequentemente, não haverá espaço físico para que todos trabalhem todo dia, como deve ser.

Fiquem sabendo que a "indústria da segurança privada" se tornará pública, como deve ser.
Fiquem sabendo também que quem vai ao jornal defendendo legalização de emprego privado para policiais, não deseja segurança pública e sim, segurança para quem pode pagar.

Desafio à comunidade social e jurídica a escrever sobre estes temas e procurar uma POL ÍTICA DE SEGURANÇA realmente séria e não hipócrita, como é a que estamos assistindo Brasil afora.

AUTORIZO A PUBLICAÇÃO IRRESTRITA DESTE TEXTO.
Façam um favor ao Estado do Rio de Janeiro, enviem para todas as pessoas que conhecerem.

Del. TARCÍSIO ANDRÉAS JANSEN - DELEGADO DE POLÍCIA-DAS- DELEGACIA ANTI-SEQUESTRO
COMPORTAMENTO - A MAIS ANTIGA DAS PROFISSÕES

Carlos Alberto Marchi de Queiroz

charles.quebec@hotmail.com

No início da aventura do homem sobre a face da Terra, prevalecia a força da horda. Era a luta do homem contra o homem, valendo a lei dos mais fortes, até que, em um determinado momento os mais inteligentes convenceram os demais membros das comunidades que se formavam em abdicar de uma pequena parcela de seus direitos em favor de todos, plasmando-se o que hoje se entende por pacto social. Assim nascia o primeiro esboço de Constituição.

Em meu último escrito, em que tratei da verdadeira origem do nome Viracopos, asseverei que a prostituição era a segunda profissão mais antiga do mundo, detalhe que suscitou a curiosidade de alguns leitores que, logo após a publicação da matéria, perguntaram-me qual seria a mais antiga das profissões.

A prostituição, em Campinas que começou na Rua Regente Feijó, bem pertinho da Catedral, quando a cidade era minúscula, migrou para a periferia de então, descendo para a Rua Visconde do Rio Branco, depois para a Marechal Deodoro, antiga Rua do Imperador, depois para o Botafogo, na Rua Itália, depois para o Bosque, na Rua Proença, depois para o Taquaral,na época que antecedeu a administração Orestes Quércia, e, finalmente, acabou zoneada no atual Jardim Itatinga,que significa pedra branca, em tupi guarani.

A prostituição, que busca sempre a periferia, não é um apanágio de Campinas, mas uma realidade sociológica mundial, tanto que registrada em pinturas rupestres, em hieróglifos, em caracteres cuneiformes,enfim pelas mais diferentes formas de escrita criadas pelos homens.Dela falam o Velho e o Novo Testamento, o Alcorão, os Vedas, o Código de Hamurabi e as mais antigas legislações humanas.

Em alguns países, a atividade encontra-se devidamente legalizada, como na Holanda, é severamente reprimida, como nos Estados Unidos, ou é vista como um indiferente penal,como no Brasil, onde a prostituição não é crime,cujo código penal, curiosamente tipifica o crime de casa de prostituição.

Apesar do vetusto código penal brasileiro estar em vigor desde 1° de janeiro de 1942, contendo em seu bojo o crime de casa de prostituição, punindo todo aquele que a mantém, a doutrina e a jurisprudência do país refere-se a esses locais como casas de tolerância,uma vez que a sociedade, a Polícia e a Justiça toleram a sua existência,como fator de dissuasão dos criminosos sexuais em potencial.

A prostituição, que existe há mais de cinco milhões de anos, não pode ser a mais antiga das profissões, uma vez que remunerada, posto ser desconhecida a prostituição gratuita, uma vez que consiste na troca de favores sexuais por dinheiro ou por vantagem econômica, como registrado por Chico Buarque de Hollanda em sua música Folhetim.

A evolução da história humana demonstra que a invenção da moeda constituiu um imenso avanço sobre o escambo ou troca de mercadorias, e não é difícil chegar-se à conclusão de que, nos começos da civilização, muito antes da invenção da roda, o homem pescava, caçava e colhia frutas que lhe eram dadas graciosamente pela natureza.

Toda profissão exige regularidade, relação entre patrão e empregado, remuneração digna e, sobretudo, um grande componente ético, requisito não encontrado na prostituição.

Discutindo o assunto com outros estudiosos , alguns discordaram de que a caça e a pesca seja a mais antiga das profissões, uma vez que, de início, revestia-se mais de caráter de subsistência, antecedendo o escambo, ou troca, que logo depois foi substituído pela moeda.

Temos a mais absoluta certeza de que a prostituição não é a mais antiga atividade econômica do mundo, muito embora o imposto de renda cobre das falenas tudo aquilo que constituir sinal exterior de riqueza, como automóveis, casas e apartamentos.

A mais antiga das profissões, quer nos parecer, agora, que uma das primeiras, se não a primeira, foi a profissão de soldado,que,para exercer o seu mister recebia soldo,com o qual pagavam as vivandeiras que sempre seguiam à retaguarda dos exércitos.

Carlos Alberto Marchi de Queiroz é professor de Direito e servidor público

DIREITO PENAL - AMOR E PUTATIVIDADE

 

CARLOS ALBERTO MARCHI DE QUEIROZ

charles.quebec@hotmail.com

Recentemente, as páginas policiais do Correio noticiaram um curioso caso envolvendo um casal de namorados e um delegado de polícia titular de um dos distritos de Campinas.

Tudo começou quando um jovem e uma moça começaram a discutir dentro de um carro regularmente estacionado em uma pacata via pública nas proximidades do Liceu Nossa Senhora Auxiliadora,por onde, coincidentemente, passava a autoridade policial a caminho de sua repartição.

De repente, e não mais que de repente, o rapaz saiu correndo de dentro do veículo sendo, imediatamente perseguido pela moça que gritava, desesperadamente: pega ladrão, pega ladrão!

A autoridade policial, instintivamente, já que é treinada para isso, saiu em socorro da donzela,que ao ser alcançado, agarrou-se a ela, tomando-a como escudo.O delegado de polícia,identificando-se como tal, e de arma em punho, ordenou que o mancebo soltasse a sua vítima.

O homem, soltando a presa, não se intimidou com a presença da autoridade policial, ameaçando atacá-la, não o conseguindo face a um tiro de advertência desferido em direção a um muro.

Todavia, não amedrontado,o valentão partiu para cima da autoridade que, sem vacilar, e em legítima defesa, conteve o atacante atingindo-o com um tiro em uma das pernas.

Com a chegada da polícia, que havia sido anterior e rapidamente acionada pelo delegado, foram todos para no distrito policial de atribuição, que atende a região do bairro do Taquaral,onde tudo foi finalmente esclarecido.

Vale esclarecer, ainda, que recente recomendação do ministro da Justiça condena tiros de advertência feitos por policiais, o que, a nosso ver, configura uma impropriedade jurídica,posto que diminui, ainda mais, a restrita esfera de ação da polícia garantida pelas excludentes da legítima defesa, do estado de necessidade e do estrito cumprimento de dever legal.

Apurou-se que dois dos protagonistas da ocorrência eram namorados e que no auge da discussão, o jovem afastou-se, correndo, da parceira, que, correndo em seu encalço, gritava pega ladrão, pega ladrão.

Alguns jornalistas da imprensa falada censuraram a atitude da autoridade policial que acabou ferindo o namorado fugitivo com um tiro na perna, trazendo à baila, a recomendação emanada do Ministério da Justiça, em Brasília

Analisando-se a situação à luz do direito penal,verifica-se, de imediato, que a autoridade policial foi induzida a erro pela jovem ao apontar seu namorado como ladrão.Ela,sim, cometeu a infração penal de falsa comunicação de crime, provocando a imediata intervenção da autoridade policial, que, putativamente, saiu em perseguição do rapaz,acabando por baleá-lo.

Ensinam os doutrinadores penais brasileiros que o crime putativo equivale ao real uma vez que o agente supõe a existência de uma ação verdadeira,que, contudo, não passa de mera comédia, de vulgar teatralização.

Na delegacia tudo foi esclarecido. O homem foi indiciado por desobediência e resistência à ordem legal da autoridade,que se identificou, exibindo ao turbulento sua carteira funcional e distintivo.

A jovem foi enquadrada como parte,mas tudo leva a crer que responderá por falsa comunicação de crime, que quase acaba em tragédia.

A propósito, começa a crescer no Brasil esse mau costume de se gritar pega ladrão por parte das jovens que se desentendem com seus namorados, vezo que poderá produzir danos físicos sobre a outra parte, em casos semelhantes.

O delegado de polícia, envolvido na confusão, induzido a erro por parte da moça será, também, um dos atores desse drama urbano, e,certamente, exculpado de sua ação, uma vez que a falsa percepção da realidade foi provocada por terceira pessoa.

O crime putativo encontra respaldo no código penal brasileiro.Não obstante, ao começar o ataque contra o delegado,o atacante fez com que a putatividade passasse rapidamente para a esfera realidade, protegendo-o com as justificativas da legítima defesa própria e do estrito cumprimento do dever legal.

Carlos Alberto Marchi de Queiroz é professor de Direito e servidor público

Proposição do Servipol e da IPA/RS para o Projeto do Código de Processo Penal

“Ao invés de ser criado o juiz das garantias,

criar o Inquérito Policial Contraditório”

Constituição Federal Art. 5º:

Inciso LV – “aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e a ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes;”

Se aprovado o inquérito policial contraditório a instrução processual realizar-se-á na delegacia sob a presidência do delegado e ampla participação da acusação e da defesa, conforme a dispõe a C.F.

Para a Justiça:

Um passo a frente para a celeridade do julgamento porque o juiz não precisará fazer a instrução processual. Esta virá pronta, acabada e assinada pela autoridade policial, acusação e defesa. A repetência dos atos processuais não condiz com a ciência desses novos tempos do pós modernidade. O novo Processo Penal deve ser rápido e seguro como a informática e os meios de comunicação.

Um passo a frente na economia orçamentária do poder judiciário que não precisará aumentar despesas com novos magistrados e servidores.

Para a Sociedade:

Um passo a frente nos direitos e garantias individuais.

Um passo a frente na economicidade, a carga tributaria do contribuinte será melhor direcionada.

Um passo a frente na celeridade e imediato julgamento para destronar a impunidade e as sucessivas ações delitivas continuadas praticadas pelo do delinqüente, antes de ser julgado.

Para a Polícia Civil:

Um passo a frente na qualidade da persecução investigativa policial.

Um passo a frente no reconhecimento ético do trabalho profissional praticado pelo policial civil. Não haverá alegação do acusado em juízo de que na polícia houve abuso de autoridade ou ato de corrupção, o que para a sociedade e para a Justiça também é um ganho.

Um passo a frente na simplificação da formal burocracia que repete com a instrução os atos gerados na delegacia.

Um passo a frente na valorização remuneratória dos quadros funcionais da polícia civil, em razão da integração do sistema pelo vinculo de proximidade com o Poder Judiciário, que se estabelecerá automaticamente.

ESTATÍSTICAS CRIMINAIS: QUANDO OS CORPOS FALAM

Carlos Alberto Marchi de Queiroz
charles.quebec@hotmail.com

Recentemente, um dos colaboradores do Correio do Leitor, preocupado com a colocação da cidade de Campinas no ranking da violência estadual, formulou duas interessantes questões, daquelas que são feitas nas faculdades de direito, querendo saber como seriam computados os resultados de duas curiosas hipóteses

. Na primeira, descreve uma situação hipotética, em que um morador de Sumaré mata uma pessoa em Hortolândia, descartando o cadáver em Campinas. Na segunda, relata um caso fictício, no qual um rapaz embarca em um ônibus em Campinas, que ao passar por Hortolândia, recebe um passageiro, com o qual o primeiro jovem passa a discutir, matando-o em Sumaré

. Nesse contexto, o leitor pede, em seu pequeno tópico, para que alguém o ajude a compreender como serão tratados estatisticamente os dois homicídios, e qual dos três municípios receberão os percentuais relativos às duas curiosas indagações: Campinas, Hortolândia ou Sumaré. A questão do lugar do crime é solucionada pelo artigo 6º do Código Penal que reza: Considera-se praticado o crime no lugar em que ocorreu a ação ou a omissão, no todo ou em parte, bem como onde se produziu ou deveria produzir-se o resultado. As duas hipóteses formuladas pelo leitor um senhor aposentado de Campinas são de respostas fáceis, muito embora a primeira delas exija um pouco mais de esforço explicativo, uma vez que o corpo da pessoa assassinada em Hortolândia tenha sido, como se diz no jargão policial, desovada em Campinas.

Acontecido um homicídio, a autoridade policial, os investigadores e os peritos criminais deslocam-se, rapidamente, para o local do encontro do cadáver,e através de simples visualização ou da utilização de sofisticados aparelhos criminalísticos, concluem de imediato,se aquela é uma cena de crime ou local de descarte de um corpo sem vida. Nos dois homicídios virtuais colocados em discussão, os assassinatos, em um primeiro momento, serão computados pela estatística policial da delegacia de Campinas, em cuja área ocorreu o descarte do corpo sem vida, e pela estatística policial da delegacia de polícia de Sumaré, onde o crime do ônibus aconteceu.

Nesse diapasão, estando a segunda hipótese devidamente esclarecida, uma vez que o local do crime é a cidade de Sumaré, muito embora seus atos preparatórios tenham começado em Hortolândia, local em que a futura vítima subiu no ônibus, é preciso esclarecer que o caso da desova irá exigir um pouco mais de trabalho investigativo. Em qualquer situação de homicídio, o corpo da vítima sempre fala, e a autoridade policial e seus agentes, mais cedo ou mais tarde, vão descobrir que o fato ocorreu em Hortolândia, após investigarem a pessoa do morto, suas relações familiares, sociais e trabalhistas,fazendo com que aquela estatística criminal migre do Deinter 2, de Campinas, para o Deinter 9, de Piracicaba,que ficara com os dois homicídios, uma vez que Hortolândia e Sumaré pertencem ao D 9

. As estatísticas de homicídios causam perplexidade em toda a população, uma vez que constituem, às vezes, as cifras negras da criminalidade, como no caso da cidade de Salvador, na Bahia, que registrou,recentemente, 25 homicídios por cem mil habitantes, taxa altíssima em relação aos padrões estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde, da ONU, que estabelece a taxa de 10,2 mortes violentas por grupos de cem mil habitantes. Campinas encontra-se dentro da faixa de tolerância estipulada pela OMS, acompanhando, ano após ano, o aumento da densidade demográfica regional, estando aquém dos registros de Salvador, Recife,Brasília e Washington.D.C., nos EUA. A violência é uma questão municipal de sorte que a sua diminuição reside em políticas públicas municipais, de ordem sanitária, educacional e de habitação, cabendo aos organismos policiais a sua prevenção e repressão.

Carlos Alberto Marchi de Queiroz é professor de Direito e servidor público

Veja os principais pontos da reforma do Código de Processo Penal

CPP E LEIS EM VIGOR

PROJETO DOS JURISTAS

PROJETO DOS ADVOGADOS

Juiz das garantias

Não existe. Um único juiz atua na fase investigatória e no julgamento do mérito.

Juiz das garantias tem competência especial para atuar no curso da investigação e não pode julgar o mérito.

Apenas impede que o juiz que atue na investigação seja o responsável pelo julgamento de mérito, sem a criação de uma categoria especial.

Direito das vítimas

As vítimas não têm tratamento especial.

Cria um rol de direitos das vítimas, como o de ser informada da prisão e soltura do acusado ou depor em dias diferentes.

Mantém o rol de direitos previstos no texto dos juristas.

Provas

São inadmissíveis provas ilícitas e delas derivadas, desde que não haja nexo causal entre elas ou haja confirmação por fonte independente das provas derivadas.

Torna inadmissível as provas obtidas de forma ilícita e as delas derivadas, sem exceção. Admite o uso de prova emprestada de outro processo judicial ou administrativo, desde que comprovado o contraditório.

Provas obtidas direta ou indiretamente por meios
ilícitos são inadmissíveis e não podem constar no processo. Não admite o uso de prova emprestada.

Ação penal privada

A vítima pode ajuizar ação penal por contra própria nos crimes contra o patrimônio, por exemplo.

Não existe mais ação penal privada. A vítima deve representar ao Ministério Público, para que ele entre com a ação.

Concorda com o fim da ação privada. Ao contrário do texto dos juristas, impede a denúncia anônima e permite que o MP desista da ação.

Prisão preventiva

Decretada durante a investigação para garantir a ordem pública e econômica, entre outros direitos.

Inclui a reincidência e a extrema gravidade do fato à lista de fatores que permitem a prisão preventiva, que passa a ter prazo máximo de 740 dias.

Determina que a gravidade do fato não justifica, por si só, a decretação da prisão preventiva.

Prisão especial

Autoridades e diplomados em faculdades, entre outros, têm direito à prisão especial antes da condenação.

Acaba com a determinação da prisão especial no CPP. Na prática, quem tem o privilégio previsto em lei específica, como advogados, vai manter a prerrogativa.

Mantém, no Código, apenas a prerrogativa de prisão especial para quem atuar como jurado.

Medidas cautelares pessoais

Permite a prisão preventiva, prisão temporária e fiança.

Cria várias alternativas, como monitoramento eletrônico, prisão domiciliar, proibição de frequentar determinados locais, bloqueio de endereço eletrônico, etc.

Amplia a lista de medidas, mas elimina a suspensão do poder familiar, bloqueio de endereço eletrônico e o monitoramento eletrônico, previstos no texto dos juristas.

Fiança

Entre 1 e 100 salários mínimos, podendo ser diminuído em função da condição financeira do réu.

Aumenta para entre 1 e 200 salários mínimos. Permite cobrança de fiança de réu solto para garantir o seu comparecimento.

Mantém o limite de 1 a 100 salários mínimos atuais e não permite cobrança de réu solto.

Interceptação telefônica

Permitida para infrações com pena de reclusão, sem prazo definido.

Permitida em crimes de pena superior a dois anos, por 60 dias, prorrogáveis por 360 dias, com exceção de crimes permanentes.

Permitida em crimes com pena mínima superior a um ano, por no máximo 30 dias, prorrogáveis uma vez só, exceto crimes permanentes.

Agilidade

Não prevê mecanismos judiciais para acelerar o trâmite processual.

Permite que o juiz recorra ao “incidente de aceleração processual” para que atos sejam realizados nos finais de semana e feriados.

Não prevê mecanismos judiciais para acelerar o trâmite processual.

Embargos de declaração

Usados para recorrer de contradição, omissão ou obscuridade de acórdãos, sem restrição.

Os embargos de declaração serão permitidos uma única vez por acórdão, para esclarecer pontos obscuros ou omissos.

Não traz restrição para esses recursos, que passarão a interromper o prazo para interposição de outros recursos.

Suspensão de bens

Permite o sequestro dos bens ilícitos e a hipoteca ou arresto de bens lícitos para reparação da vítima.

Inclui a indisponibilidade dos bens do acusado, lícitos ou ilícitos, como medida cautelar.

Prevê somente o sequestro dos bens de origem ilícita como medida cautelar.

Júri

Conselho de Sentença é composto de sete jurados maiores de 18 anos.

Conselho de Sentença é composto de sete jurados maiores de 18 anos.

Conselho de Sentença é composto de 8 jurados maiores de 21 anos. Empate privilegia a tese da defesa.

Fonte: site da Câmara dos Deputados.


 
Com este título, o Professor Carlos Alberto Marchi de Queiroz trouxe a lume uma obra de grande valor, contendo uma visão histórica da instituição policial civil, desde a sua criação até os dias atuais, com reflexos na Polícia Judiciária Brasileira. Veja mais >>
Obra de autoria do Dr. José Guilherme Raymundo, Delegado de Polícia aposentado, sócio da IPA, ex-Inspetor da Guarda Civil do Estado de São Paulo, ex-Inspetor Chefe de Agrupamento da Guarda Civil Metropolitana de São Paulo e ex-Comandante da Guarda Civil de Guarulhos.

No livro o autor presta uma justa homenagem às Guardas Civis Municipais do Brasil, corporações que a cada dia conquistam a admiração e o respeito do povo brasileiro.
 
Web Master

Admin